14/08/2015

Nunca paro de lembrar


Naquela tarde cinzenta 
Naquele quarto escuro 
Meu desejo obscuro 
Minha vontade sedenta 
Por pouco não agüenta 
A vontade de gozar 
Tive que me superar 
Para te satisfazer 
Uma coisa eu vou dizer 
Nunca paro de lembrar 

Lembro aquela posição 
Detalhe sempre presente 
Que não sai da minha mente 
Que aumenta meu tesão 
Quero outra ocasião 
Para te fotografar 
E depois me deleitar 
De amor e de prazer 
Uma coisa vou dizer 
Nunca paro de lembrar


←  Anterior Proxima  → Página inicial