O mundo é bão Sebastião

Esta estória eu vou narrar Com muita satisfação
Uma saga intrig…

Os sabores das mulheres

Todo gosto é discutível
E agora eu vou mostrar
Os sabores das m…

Carro, chuva e amor

Uma cerveja gelada
Uma conversa no barzinho
Planejei bem direitin…

Sem nossa Chape querida

O destino a Deus pertence
Diz o ditado popular
Quem poderia imagi…

Os oitenta anos de Dona Ilda

Ilda Emidio Monteiro
Que rara felicidade
Chegar a esta idade
E com…

Rimas de vaquejada

Minha mãe quando eu morrer
Não quero choro nem nada
Quero uma j…

A carta de Getúlio Vargas

Chegou ele ao Catete Numa manhã sombria Cantava um pintassilgo Acor…

A criação do homem

Existem certas pessoas Carentes de entendimento Que acham que não …

Mas sou melhor do que tu

Eu sei que sou desordeiro Desonrador e tarado Por Deus amaldiçoado …

Versos e rimas populares - I

Por gostar muito dos ditados populares, fiz uma coletânea de alg…

Os bafejos da sorte

Como tinha prometido Eu agora vou narrar Um romance inusitado Pra v…

Nunca paro de lembrar

Naquela tarde cinzenta  Naquele quarto escuro  Meu desejo obscuro  …

Bom Jesus do Itabapoana e seus tropeiros

Vou contar uma historinha Bonita, viva e real Lá do século dezenov…
Postagens mais antigas